Publicado originalmente no Diário de Bordo da Agência Experimental por Jordana Feitosa, Milena dos Anjos, Natália Cunha e Leandro Souza.

Numa bela tarde de Outubro, no bairro de São João do Cabrito, o encantamento se formou em torno de uma figura ímpar, inteligente e humilde chamada José Eduardo Ferreira Santos. O que até então era admiração pelo belo trabalho que faz como pedagogo e pesquisador, escritos e simpatia, tornou-se algo maior, sublime, por ser reconhecedor de seu espaço, território, identidade.

Por tudo isso desenvolveu em 2010 o projeto de tornar público o importante acervo que conseguiu formar através de doações e aquisições próprias, guardado em sua casa e que engloba de livros raros às obras de artistas baianos do subúrbio, como Mestre Ray. O seu propósito é mostrar a todos a riqueza, beleza e importância da cultura local, dos artistas da terra, além de disponibilizar acesso a bibliografias raras, discografia diversa e muito conforto; dessa forma, pretende também, desconstruir a visão negativa que a maioria da população soteropolitana tem do subúrbio e tornar viável o conhecimento da população em relação à produção local.

Como ainda está organizando o espaço para receber a população, o professor não tem data de inauguração, mas garante que quem tiver vontade e interesse em saber mais sobre as obras e artistas conterrâneos é possível marcar um encontro no espaço que nomeou como Acervo da Laje.

O mais interessante desse mapeamento foi perceber como cada um de nós pode fazer um pouco para tornar possível a fruição da cultura; a possibilidade de dar um retorno ao lugar de onde viemos a exemplo do professor José Eduardo que saiu de Novos Alagados para estudar, se formar, aprender que o mais importante é saber reconhecer qual é a sua identidade, seu espaço, seu território, o valor das coisas.

Contatos:

(71) 9929-8934/

E-mail: ferreirasantosenator@gmail.com